sexta-feira, 30 julho 2021

Trabalhadores

Situação Social nas empresas do Distrito

pcp-logotipoEm 21 de Dezembro de 2007 a Comissão para o trabalho nas empresas e locais de trabalho do PCP fez a analise da Situação Social de algumas empresas do Distrito de Leiria expondo de seguida alguns dos casos mais preocupantes.

Planeta Plásticos (Leiria) – Empresa do sector químico realizou despedimentos sem justa causa, e tem um elevado número de trabalhadores com vínculo de trabalho precário, alguns chegam a estar anos nesta situação.

Canividro (Marinha Grande) – Empresa do sector vidreiro tem subsídio de férias em atraso e os salários são pagos com atraso.

Fapor (Batalha) – Empresa do sector cerâmico, normalmente paga o salário só a 50%, tem os subsídios em atraso e pressionou os trabalhadores a fazer horas extras sem lhes pagar.

Intercer (Ansião) – Empresa do sector cerâmico tem salários em atraso.

Nocal (Alcobaça) e Louçarte (Valado dos Frades) – Sector cerâmico, os trabalhadores estão constantemente a receber salários com atraso.

Atlantis (Alcobaça) – Sector vidreiro os trabalhadores continuam com o aumento dos salários congelados e exerce forte repressão sobre os activistas sindicais.

Scheaffler (Caldas da Rainha) – Empresa do sector metalúrgico tem um elevado número de trabalhadores com vínculo de trabalho precário, os trabalhadores que ganharam a causa em tribunal pelo pagamento de horas extras ainda não receberam esse dinheiro.

Molde Gama – Sector metalúrgico a empresa retirou o refeitório aos trabalhadores e colocou câmaras de vigilância.

ESIP (Peniche) – Empresa do sector das conservas, pratica baixos salários, e tem um elevado número de trabalhadores com vínculo precário.

Sociedade Quinta da Freiria (Bombarral) – Sector Avícola ligada ao grupo Valouro, grande parte dos trabalhadores são mulheres. O trabalho exige muito esforço físico, ao fim de alguns anos as trabalhadoras são vítimas de doenças profissionais e são pressionadas a despedirem-se sem que lhe seja prestada qualquer apoio.

Key Plastics (Leiria) – Sector químico tem um elevado número de trabalhadores com vínculo de trabalho precário.

Bordalo Pinheiro (Caldas da Rainha) – Tem vindo a pagar os salários com atraso, não paga horas extraordinárias e deixou de pagar o complemento de reforma.

SECLA (Caldas da Rainha) – Empresa do sector cerâmico, os trabalhadores estão há vários anos sem aumentos salariais, assinou um contrato com um sindicato paralelo, onde em troca do aumento salarial os trabalhadores passam a fazer mais duas horas diárias de trabalho.

Ciprol-Cibloco (Bombarral) – Empresa que fabrica produtos em cimentos tem condições de trabalho muito precárias, pratica baixos salários, muito abaixo da tabela.

CMP-Cimentos Maceira e Pataias – Elevado número de trabalhadores de empresas sub-empreiteiras, no plano da saúde a empresa tenta a desresponsabilizar-se das suas obrigações relacionadas com a assistência na doença, tentativa de alargamento do horário de trabalho.

Sardinal (Peniche) – Empresa do sector das conservas, de vez em quando paga os salários com atraso, mantém os subsídios em atraso.

Roca (Leiria) – Empresa do sector cerâmico tem um elevado número de trabalhadores com vínculo de trabalho precário.

Vidrexpor – Enpresa do Sector vidreiro onde os trabalhadores estão há vários anos sem actualização dos salários.

Hospital Santo André – Elevado número de vínculos precários ligados à empresa prestadora de serviços SELÉCT. Por falta de profissionais é exigido aos trabalhadores elevado desempenho, colocando em risco também em risco a vida dos doentes.

Imprimir Email