terça-feira, 04 outubro 2022

Comissões Concelhias

A maioria PSD/Telmo Faria aprovou na Assembleia Municipal de Óbidos, do passado dia 30 de Junho

A maioria PSD/Telmo Faria aprovou na
Assembleia Municipal de Óbidos, do
passado dia 30 de Junho, um novo
tarifário mensal fixo de
saneamento(esgotos) e de resíduos
sólidos(lixo), decisão manifestamente
injusta para todos os munícipes, nos
tempos difíceis que atravessamos e em
particular os de menores rendimentos que
já são sacrificados pelo aumento do custo
de vida, pela redução do valor real dos
salários e pelo aumento dos impostos
directos e indirectos.
A decisão tomada impõe que mensalmente os
munícipes de Óbidos passem a pagar 2,5 euros
de taxa de saneamento e uma outra taxa de
resíduos sólidos, também de 2,5 euros, gastem
muito, pouco ou mesmo nada de água.
Contrariamente ao que a maioria do PSD/Telmo
Faria tenta fazer crer, esta decisão pune todos
os munícipes e em particular aqueles que têm
menor consumo de água da rede, impondo-lhes
uma taxa mínima de 5 euros, mesmo que não
tenham qualquer consumo, favorece os maiores
consumidores e não incentiva à poupança.
Penaliza ainda todos os munícipes que sofrem
as consequências da degradação da rede de
distribuição de água e mais ainda os que não
beneficiam da rede de esgotos, como acontece
em vários locais das freguesias de A-dos
Negros, Gaeiras, St. Maria, S.Pedro e Usseira,
obrigados a pagar estas novas taxas e as
inerentes ao serviço de despejo das fossas.
Ora, para além das brumas do chocolate a
desastrosa gestão do consulado PSD/Telmo
Faria, com os sumptuosos gastos nas empresas
municipais para privilegiar amigos e compadres,
associado às dificuldades financeiras resultantes
do sufoco a que os sucessivos governos do
PSD, CDS e PS têm sujeito as autarquias locais,
fizeram com que se verificasse um
empobrecimento das finanças da Autarquia. Daí
esta medida injusta e outras já anteriormente
tomadas nos meses mais recentes, como a do
aumento das taxas licenças e serviços
municipais e a redução de subsídios de apoio
social. Daí, também, a redução significativa do
investimento municipal e o aumento do atraso no
pagamento aos fornecedores.
O Partido Comunista Português votou contra
esta decisão que é injusta para os munícipes e
vem na linha do agravamento das condições de
vida da generalidade dos portugueses.
E consequentemente, continuará a lutar contra
esta e outras medidas tomadas pela maioria
PSD/Telmo Faria, que confirmam não ser esta
afinal uma gestão camarária a favor dos
interesses da população de Óbidos, mas
claramente contra esses mesmos interesses.
18 de Julho de 2011
A Comissão Concelhia de Óbidos
do Partido Comunista Português

Imprimir Email