quinta-feira, 23 setembro 2021

Comissões Concelhias

Aos trabalhadores da Schaeffler (ex ROL)

graphic1 

Não podem ser novamente os trabalhadores a pagar a crise e os erros dos administradores

A profunda e prolongada crise que o sistema capitalista atravessa dá para tudo. A Schaeffler em Portugal (antiga Rol) que chegou a ser líder na produção de rolamentos de elevada complexidade (chegando a fornecer a IBM e a Phillips) o ano passado viu encerrar a secção de torneamento e serem retiradas máquinas de elevada tecnologia, passando a assentar a sua produção fundamentalmente na rectificação de rolamentos vindos do México e China. Este processo levou à dispensa de dezenas de trabalhadores ligados às empresas temporárias e limitou a capacidade de produção da empresa. Mesmo tendo desmantelado a sua jóia da coroa o grupo acumulou elevados lucros no ultimo ano, que o levaram à aquisição da Continental Mabor, mau negócio, que deixou a empresa mãe em sérias dificuldades financeiras. Mas o suposto pagamento de prémios chorudos aos engenheiros da fábrica relativos ao ano de 2008, coloca a questão de se saber, afinal a crise é para quem? Depois de todos estes erros, vêm agora e mais uma vez querer resolver os problemas da empresa à custa dos trabalhadores. Começaram por dispensar os trabalhadores das empresas temporárias, seguiu-se os contratados tendo já sido despedidos cerca de 50. E agora começam a ser feitas propostas aos trabalhadores com mais de 57 anos de idade, apenas com a carta para o fundo de desemprego sob pretexto de inadaptação tecnológica. Coisa estranha esta da inadaptação tecnológica, pois ainda em 2007, no âmbito de uma reestruturação e quando tiveram a necessidade de implementar o banco de horas a alguns trabalhadores, o Sr. Carlos Gouveia afirmava que um dos maiores trunfos da empresa era a mão-de-obra qualificada. A Comissão Concelhia de Caldas da Rainha do Partido Comunista Português alerta os trabalhadores para: -         A mais que provável tentativa de liquidação de postos de trabalho por parte da administração, nomeadamente os que têm mais anos de casa a troco de nada;-          O facto de haver um compromisso entre a empresa mãe e os sindicatos de não despedir trabalhadores, poder dizer só respeito aos trabalhadores alemães. Pois como todos sabemos estamos na União Europeia, mas quando toca a dificuldades cada um que se desenrasque.-         Por ter sido criado o Schaeffler/Conti Group à qual a família Schaeffler vendeu as acções que possuía coloca a empresa portuguesa numa situação muito complicada e de grande indefinição.-         O facto de nenhum trabalhador ser obrigado a aceitar o gozo de férias antecipadas.Perante este quadro, cujo puzzle não está completo o PCP apela para:-         A necessidade de os trabalhadores estarem unidos e solidários, para melhor defenderem os postos de trabalho, os seus direitos e os salários.É preciso que empresa clarifique e apresente:-        Um plano concreto de viabilidade que assegure a continuidade da empresa os postos de trabalho e os direitos aos trabalhadores.O Governo PS, não pode fingir que não vê!O governo PS/Sócrates tem de assumir as suas responsabilidades no que respeita à defesa dos interesses dos trabalhadores e à manutenção desta importante unidade produtiva num concelho já tão flagelado e fragilizado socialmente. Ao governo é exigido uma intervenção directa junto da Administração da empresa, e do governo Alemão no sentido de clarificar a situação e garantir os postos de trabalho.É necessário lutar agora, antes que seja tarde!O exemplo de outros trabalhadores que com unidade e determinação defendem os seus postos de trabalho, os seus direitos e as empresas, também neste caso este é o caminho mais seguro A jornada de luta convocada pela CGTP/IN para o dia 13 de Março em Lisboa é sem dúvida o espaço importante para que os trabalhadores da Schaeffler demonstrem o seu descontentamento ao governo.   Os trabalhadores podem sempre contar com o PCP! 10 de Março de 2009 A Comissão Concelhia das Caldas da Rainha do Partido Comunista Português

Imprimir Email